quinta-feira, 20 de abril de 2017

Anfiteatro Rochoso

19/04/2017 – Quarta-feira – 5º Dia de Trek Annapurna BC – Macha BC a Anna BC
Acordo super cedo, por volta das 5 e depois de lavar rosto e escovar dentes me ponho a fotografar a linda paisagem ao redor. Como um poderoso refletor, o sol imprime à superfície nevada do Annapurna South uma viva coloração amarelada, ao passo que, nas sombras, do singular formato de cauda de peixe do Machapuchare resta apenas uma vulgar aparência triangular. E já tem gente indo às 5:30 pro acampamento-base do Annapurna. São aqueles que farão um bate-volta, preferindo pousar em Deurali, Himalaya ou Dovan. Saímos às 7 de Machapuchare rumo ao Anna BC caminhando ora pelo campo de neve ora por trechos de terra livres de gelo. Diante de mim, Annapurna South, gigantesco, mais parece um 8 mil. Um colar fino de nuvens envolve seu flanco oeste. A temperatura amena dispensa o uso da jaqueta de plumas, bastam camiseta e pulôver de fleece mais um par de luvas. Encontro as duas queridas chinesas caminhando a nossa frente. Como sempre tiram fotos uma da outra tendo como pano de fundo Anna South. Saúdo-as efusivamente e daí por diante a pernada vira uma alegre gandaia. Até filmezinho a magrinha faz comigo, fingindo que me fuzila com uma metralhadora (pra encarnar o papel, ela deve ter mentalizado que sou uma dissidente do camarada Mao). Quando caio na neve fingindo de morta, as duas vibram tanto que fazem eu repetir a cena pra filmar uma segunda vez. Às 8 horas baixa uma cerração. Da fúria do rio Modi no interior do canyon o que se vê agora é um manso córrego que vai abrindo seu caminho ao longo e sob a geleira. Tufos de capim amarelo crescem no terreno sem neve, intercalados por pequenos buquês de gencianas! E joaninhas, muitas joaninhas sobre a neve!! Isso a 4.000 metros!!! Os 430 metros de desnível entre o Macha BC e o Anna BC foi a subida mais fácil de todas, tanto que fiz com um pé nas costas, hehehe!! Quando atingimos os 4.130 metros, às 9 e 20, onde está construído o acampamento-base do Anna, o céu está limpo, sem vestígio de cerração. Fazemos um lanche ao ar livre oferecido pelas queridas chinesas pra comemorar o niver da gordinha: deliciosos snacks (tofu e um tipo de figo seco) from China! Lá pelas 10 e 30, quando as amiguinhas já tinham se mandado, baixa uma bruma cerradíssima. Como um passe de mágica, lá pelo ½ dia, clareia de novo e o sol mostra a cara. Contudo pras bandas de Machapuchare tá tudo nubladíssimo, não se avistando nenhuma daquelas montanhas situadas a leste. Aqui no Anna BC é difícil encontrar quartos porque na alta temporada os 5 lodges com 6 dormitórios cada não dão conta da demanda. Num deles, o dono nos disse que só poderia oferecer barracas. Acabamos conseguindo um lodge cujo único quarto vago é ao lado da cozinha. Acho muito tri o dormitório porque pra alcançá-lo tenho de atravessar a cozinha curtindo todo aquele bulício dos rapazes preparando as refeições. O quarto com 3 camas será compartilhado com um irlandês de Dublin, Adrian, com quem converso rapidamente. Bishow e Nurbu, como os demais guias e porters, dormirão nos bancos do refeitório. Pensando ser trovões o barulhão que escutei há pouco descubro serem avalanches de neve. A cerração que se concentrava pros lados do Machapuchare veio pra cá e escondeu a esplêndida paisagem circundante. Sem condições de dar um rolê no exterior porque venta e chove bastante, fico no refeitório deitada num dos confortáveis bancos estofados que rodeiam o amplo salão. E são apenas 14 horas!! Muito tempo pela frente até a hora de dormir. E dale a chegar gente, a maioria jovens que estão nem aí pra chuva que enfrentaram na trilha e continua a cair. Sucede-se ao chuvaral uma vigorosa queda de neve que só termina no final da tarde. Novamente, a paisagem ressurge com os picos mais brancos que nunca. Muitos hóspedes deixam o refeitório e vão pra fora curtir o belo cenário, inclusive uma mulher com aquele tipo de risada aguda que perfura os tímpanos. Meu deus, como sou perseguida por esse tipo de gente com risadas de galpão!! João Gilberto, o grande músico e cantor da MPB, não me acharia ranzinza, com certeza!! Até que nem faz tanto frio às 18 e 30 quando vou dar uma espiada no termômetro colocado no lado externo do lodge. 4º C já senti várias vezes na minha terra natal, o Rio Grande do Sul! Isso nem faz o cusco renguear de frio!!


20/04/2017 – Quinta-feira – 6º Dia de Trek Annapurna BC - Annapurna BC
O acampamento-base do Annapurna localiza-se no interior dum colossal anfiteatro montanhoso pertencente ao maciço do Annapurna. Com 55 km de comprimento, compreende um pico de 8 mil, 13 acima de 7 mil, e 16 acima de 6 mil. Assim, aqui no ABC temos uma amostra da grandeza desta cadeia de montanhas: a oeste, Hiunchuli (6.441 metros) e Annapurna South (7.219 metros); a noroeste, Bharha Chuli; ao norte, a vasta parede da face sul do Annapurna I (8.091 metros); já a leste, Ganga Purna (7.455 metros), Annapurna III (7.555 metros), Gandarba Chuli (6.248 metros) e Machapuchare (6.993 metros). É de tirar o fôlego. Fica-se girando enlouquecidamente 360º sem parar! Manhã brilhante e céu límpido permitem uma baita visibilidade deste complexo rochoso. Imperativo, entretanto, acordar cedo pra flagrar os primeiros raios solares dourarem as encostas nevadas do Anna South, Bharha Shirkha e Anna I porque tal show da natureza dura rapidinho. Assim, às 5 e 30 da manhã, os turistas já estão de pé, admirando o belíssimo espetáculo. Uns espanhóis ao meu lado tiram sarro do parceiro que não conseguiu levantar a tempo. O cara, sem se abalar, responde que curtirá o espetáculo olhando as fotos tiradas pelos amigos, hehe. Hoje tiramos o dia pra descansar. A pousada, até então lotada, esvazia-se após o desjejum, restando somente eu e Flavio de hóspedes. Doente desde ontem, com diarreia e vômitos, o cara tá malecho. Provavelmente rebote do mal de altitude. Mas ele jura que foi da comida apimentada. Medico-o com os remédios que tenho na minha pequena farmácia. Ele não trouxe nada a não ser aspirina. Oxalá dê certo! Os lodges do Anna BC estão localizados ao lado da grande borda direita da moraina do glaciar. Subindo até sua crista dá pra ver a geleira fluindo como um rio de pedra. Como a maioria dos glaciares himalaios, é coberto por espessa camada de pedras e cascalho na sua parte mais baixa e plana. Se não se sabe, de antemão, que é um glaciar se pensa que é um amontoado de areia e pedras porque quase nada se vê do gelo sob os detritos. Eu e Bishow subimos até a cumeeira da moraina pra fotografar a stupa erigida diante do Anna I em homenagem a Boukreev e Iñaki Ochoa que morreram escalando-o. Prosseguimos caminhamos ao longo da moraina onde mais stupas homenageiam outros montanhistas que pereceram tentando escalá-lo. Super dada a avalanches, a face sul do Anna I vem a ser, entre os 8 mil, um dos picos mais perigosos de se escalar. O tempo permanece bom até umas 10 horas quando nuvens vindas do canyon do rio Modi começam a abraçar o Machapuchare. Um fenômeno interessantíssimo assistir à espessa formação gasosa envolver em câmara lenta todas as montanhas da banda leste, como se fosse uma avalanche horizontal. Ao ½ dia a cerração se apodera também do acampamento-base do Anna. Eu me distraio observando dois empregados do nosso lodge, que têm pranchas de snow board, deslizarem pela encosta da colina em frente à pousada. E a temperatura até que está amena: 5ºC às 16 horas. No meio da tarde, chega um grupo grande de sul coreanos de ½ idade que quebra meu tedioso dolce far niente. Como aperitivo, antes da janta, comem peixinhos secos. Um dos coroas serve aos parceiros doses de bebida alcoólica cuja cor é a mesma da nossa cachaça. Não resisto e peço pra provar o peixe, bem saboroso. Já a bebida não me animo em pedir, desconhecendo assim seu sabor....que pena. Eles se tratam muito bem! Trouxeram cozinheiro que prepara comida coreana pra eles. A mesa, coberta de diversos pratinhos, parece ser muito apetitosa! Se eu fosse cara de pau, tinha mais é me escalado pra comer com eles, porém, nesta encarnação, infelizmente, nasci um ser tímido. 

Um comentário:

Miriam Chaudon disse...

Nossa, quantas coisas para comentar nesta postagem! A alegre companhia das meninas chinesas, as lindas e medicinais gencianas, joaninhas em tão alta altitude e em lugares tão frios. Os porters tendo que dormir em bancos depois de tanto forcejarem.....
Bea, minha amiga, se você é tímida imagina o que sobra prá mim! Hehehehe!
Beijocas!