sábado, 28 de junho de 2008

Goro I, uma surpresa em preto e branco

Observo que o tempo se mantém nublado quando ponho o nariz pra fora da barraca. Muhammad, sorridente, me entrega uma caneca de chá quentinho. Faz frio. Levantamos acampamento e começamos a caminhada às 8. Ando devagar pois sinto fisgadas na coxa. De fato, contraí algum músculo perto da virilha. Sacoooooo......Do lado esquerdo do Baltoro Glaciar, após as Trango Towers, impossível passar despercebidas as Catedrais, duas soberbas torres de granito com mais de cinco mil metros de altura, separadas pelo glaciar de mesmo nome. À minha retaguarda, a linguona cinzenta do glaciar Khoburse distancia-se cada vez mais. Como afluentes de rios, os glaciares - situados entre as montanhas perfiladas em ambos os lados do Baltoro Glaciar - convergem em sua direção. À direita, já visualizo o glaciar Urdukas. Somente num pequeno trecho, o trajeto se faz diretamente sobre o gelo, necessitando um certo cuidado pra não se escorregar no terreno liso. No restante, cascalho preto e areia encobrem a colossal massa de gelo. O caminho não é difícil. Alcançamos Urdukas às 11 onde está instalada uma base do exército no sopé da íngreme colina que conduz ao acampamento. Ali, todo contente, avisa que descolou um cavalo para eu ir a Goro II e um abatimento de 1.000 rúpias no aluguel, já que o proprietário do animal exigira 5.000. Tento me abrigar, enquanto almoço, sob uma saliência de rocha, pois uma garoa marota se faz presente. Saímos de Urdukas às 12:00 e necas do cavalo. Assim, Ali e eu retomamos a caminhada. Niaz, desta feita, não nos acompanha. Foi à frente avisar aos porters que nos aguardem no acampamento de Goro I. O chuvisco, intermitente, não dá muita trégua: pára, reinicia, pára e reinicia. Às 13:15, eis o cavalo puxado por seu dono, apontando colina abaixo. Monto, meio receosa, sei lá se é manso. Como o tempo está nublado e nuvens encobrem as montanhas, mal as posso divisar. O cavalinho revela-se dócil demais. Porta um sininho no pescoço e, enquanto trota, um tilintar de blim blem quebra o silêncio daquelas paragens. Vez por outra, Ali e o proprietário do cavalo o incitam com palavras ou sons. Certos trechos íngremes, rentes a precipícios, me deixam tensa. Os dois homens, percebendo meu medo, me tranqüilizam sorridentes. Começam a surgir, entre as escuras rochas, grandes blocos de gelo, brancos, muito brancos. Não é uma paisagem acolhedora, muito pelo contrário, há de se reconhecê-la inóspita. Mesmo assim, ou talvez por isso, eu gosto demais do que vejo. O cavalo só negaceia uma vez, ao atravessar um dos inúmeros córregos que se formam do degelo dos glaciares. O dono puxa-o, ele empaca. Então, o homem larga a corda e deixa-o à vontade pra procurar o melhor lugar para cruzar a correnteza. E eu lá em cima me borrando de medo enquanto o bicho, conhecedor dos caminhos, atravessa tranqüilo até a outra margem. Durante o trajeto, diversos riachos de espumosas e cristalinas águas verdes escorrem céleres por entre as pedras e blocos de gelo. Uma loucura esta paisagem. Agora não se vê quase nada de vegetação, excepto uma porção na encosta dum pico que avisto do interior da barraca onde descanso após a jornada. Algumas montanhas são rodeadas por camadas de nuvens como se vestissem saiotes de tule branco, à semelhança daqueles usados pelas bailarinas, os tais de frufrus, tá ligado? Um claro aqui e lá deixa entrever o azul do céu pros lados de Concórdia; no mais, densas nuvens tingem-no de cinza. Vamos ficar em Goro I pois o dono do cavalo se recusa, sei lá por quê, a pernoitar em Goro II, acampamento adiante do de Goro I, onde passaríamos a noite. Diante disso, o aluguel, inicialmente, acertado em 4.000 rúpias, diminui para 3.000, graças a um novo desconto, conseguido por meu mago das finanças, o grande Ali. No final, como dei 1.000 rúpias de gorjeta, o cavalo custou mesmo 4.000. Ali, orgulhoso de sua capacidade de negociar e regatear, afirma que o aluguel de um cavalo não sai por menos de 10.000 rúpias. Como ele é um homem muito esperto talvez tenha dito isso pra se fazer de “bonzinho”. Recordo, contudo, a seu favor, que, quando eu quisera dar 1.000 rúpias de gorjeta a cada um dos dois porters que só levaram carga até Paiyu, ele, incisivo, não deixara. Falou que bastavam 500. Concluo que sua natureza prestativa colabore pra que ele cuide de economizar grana pros seus clientes. Minha perna já apresenta melhora considerável, resultado da combinação de medicamentos e de minha relativa imobilidade, ao trocar a árdua caminhada de Urdukas a Goro I pela cavalgada. Amanhã, conseguirei, com certeza, ir a pé a Concórdia. A chuva continua. Por todo o lado, há enormes e compactos blocos de gelo. Alguns lembram os iglus dos esquimós, assentados solidamente no terreno pedregoso. Outros se equilibram precários sobre estreitas superfícies de rochas. Peço pra Muhammad um pouco de gelo. Ele cavouca o terreno e logo me entrega um pedaço que aplico no lugar onde a coxa está dolorida. As tonalidades das pedras são lindas: rosas, vermelhas, verdes, amarelas. Estou bem louca, se pudesse levava todas as que estão espalhadas pelo chão. Pela primeira vez, como, com gosto, a deliciosa massa, bem fininha, refogada com cebola, couve e alho, preparada por Niaz. A chuva cessou porque já não escuto mais o tamborilar das gotas no teto da barraca. Está frio pra caramba, prenunciando uma noite daquelas. Visto, por via dúvidas, três blusões e duas calças de fleece, mais três meias de lã antes de me enfiar no saco de dormir, recomendado pra temperaturas de até –5º C. Sei lá se irá me proteger adequadamente. Minha experiência neste tipo de clima e situação é zero à esquerda. Um porter passa cantarolando pela minha barraca. São 21:30 e os grandes blocos de gelo resplandecem na escuridão da noite.
video

Nenhum comentário: