domingo, 20 de abril de 2008

Veranico

O ônibus trafega sem pressa revelando ruas ensombrecidas por velhos plátanos. Pouco movimento. Na curva de uma rua, vê-se uma nesga do rio. Por pouco tempo. Embarafusta o velho veículo por novas avenidas e ruas. Dessa feita, casas confortáveis, sem grades que protejam das calçadas seus jardins. Vez por outra um que outro passageiro sobe ou desce. O motorista escuta música com seus fones de ouvido. A placidez das tardes domingueiras. E na praia já se descortina o brilho do sol incidindo n'água. Onde fragatas ancoradas na marina abanam brancas velas. Um mar o rio del Plata cujas margens se perdem de vista .... lo mar dulce, como dizem aqui. O marulhar das ondas lambendo a areia. E, ao longe, a sirene dum navio silva anunciando sua entrada no porto. No azul imaculado de nuvens, vez por outra o traço escuro de um "V" perfeito se sobres sai: são gaivotas em bando percorrendo o céu.Pescadores debruçados sobre o rio lançam as carretilhas enquanto suas mulheres sentadas na amurada tagarelam entre si. E o sol aquece a tarde enquanto uns e outros se bronzeiam refestelados em cadeiras preguiçosas à beira rio. E a vida segue em tonalidade pastel na morna tarde domingueira...sem pressa. Os faróis dos carros chispando avenida afora denunciam a noite que não tardará em iniciar sua ronda pela cidade. O farfalhar das palmeiras quebra por vez o silêncio do dia que finda. O muro da rambla é a fronteira entre o asfalto e as dunas. Barracas de madeiras pintadas de azul anunciam em letreiros coloridos a venda de pescados frescos. Das folhas caídas no chão um creptcrept se faz ouvir e de sua coloração verde pouco resta no chão atapetado de marrom: únicos sinais do tímido outono. Porque o teimoso verão castelhano ainda teima em pairar sobre a cidade.

Nenhum comentário: