sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

A Vibrante Dakar

Quinta-feira bem cedinho, o táxi que Raul contratara no dia anterior nos conduz de Bissau até São Domingo, distante 125 km. Rodovia em péssimas condições, certos trechos nem asfalto há, o que leva o motora a reclamar com justa razão. A paisagem de savana exibe pântanos aqui e acolá. Faz frio quando chegamos a São Domingo, fronteiriça ao Senegal. Fazemos os trâmites de imigração em ambas as aduanas e pegamos um toca-toca pra Ziguinchor onde fica o porto. Embarcamos no navio Aline Sitoé Diatta, heroína senegalesa morta aos 24 anos, em luta contra os franceses. Estamos acomodados numa cabine para 4 pessoas: nós 2 mais uma peruana, já coroa, naturalizada em Benin, e seu jovem e belo marido senegalês de cuja cabeça pendem pesadas tranças rastafari. O navio tem 3 decks. Inicialmente, navega-se, em torno de 3 horas, ao longo do Rio Casamanse com uma parada em Karabaque para embarque e desembarque de passageiros. A partir daí, o barco singra as águas do Atlântico. Além do restaurante que abre apenas para as refeições, há um bar funcionando permanentemente no 2° deck. Música africana, muito legal, toca o tempo todo. Há muçulmanos rezando compenetradamente suas orações à tardinha tanto no lado externo quanto interno do navio. Chegamos a Dakar às 7 da manhã de sexta e fico impressionada em como é grande e populosa a capital do Senegal com centenas, sei lá, milhares de arranha-céus e rodovias de pistas duplas, embora nem toda a modernidade tenha - graças a deus! - eliminado os vestígios da velha África com seus vendedores de comidas nas calçadas e aquela  boa bagunça típica de países de 3º mundo. O clima parece mais fresco que em Bissau. Pegamos um táxi até cité Djily Mbaye onde alugamos um quarto numa casa cujos moradores são muçulmano, como aliás o são 85% da população senegalesa. O bairro é moderno com boas residências apesar de as ruas serem em sua maioria de chão batido. Duma mesquita próxima, escuta-se o pregão  do muezin conclamando os fieis à oração matutina. Deixamos as bagagens no nosso amplo quarto com banheiro e vamos à cidade passear. Leva-se quase uma hora num percurso de 8 km porque o tráfego, pesadíssimo, com horrores de carros, é tipo arranca e pára, uma chateação. Em frente ao museu das Civilizações Negras, numa feliz coincidência, encontramos Antonia!! Infelizmente o museu está fechado e só abrirá após o feriado de ano novo. Almoçamos os 3 num restaurante frequentado por nativos de Dakar cujo prato do dia, tipicamente senegalês, chama-se chep (porção grande de arroz, galinha ensopada, cenoura, aipim, repolho e outros 2 legumes desconhecidos que não descubro quais são porque no Senegal falam francês). O ambiente, bem simples, mais parece o quintal da casa. A convite de Antonia vamos  ao Museu Senghor. Não gosto do tal museu, na verdade a residência do famoso escritor e político, que tanto ajudou a difundir a cultura africana. Terminada a chata visitação, pegamos outro táxi (não rola andar a pé porque as distâncias são muito grandes) e nos tocamos até o monumento ao Renascimento da África, esse sim, vale a pena conhecer!! São 3 estátuas gigantescas representando uma família em que a criança pousada no musculoso braço do pai aponta pro norte. É impressionante! Sábado, vamos de táxi ao centro onde mulheres sentadas às calçadas oferecem deliciosos petiscos regionais, além da famosa manteiga de karité, vendida a preço de banana. Agora a pé, passamos pelo Palácio Presidencial, onde 1 soldado belamente fardado monta guarda diante dos portões da enorme residência pintada de branco. Sempre caminhando entramos no interessantíssimo museu de Artes Africanas (IFAN), onde estão expostas diversas manifestações artísticas da África Ocidental, como a maravilhosa coleção de máscaras funerárias além do tam-tam ou bombolong, o instrumento musical usado para comunicação entre as tribos. Dali continuamos numa longa pernada pela Corniche até Almadie, entrando no mercado onde há dezenas de bancas vendendo artesanato senegalês. Tudo lindo e colorido. Não resisto a tanta belezura e compro um leque arredondado. O trânsito à noite é tão pesado quanto durante o dia, tanto é que levamos quase 1 hora pra vencer meros 6 km do restaurante Bazoff ao nosso hotel. No domingo, vamos a Goreé, distante 2,5 km da costa, embarcados numa chalupa cuja navegação não dura mais que 20 minutos. Percebo conforme nos aproximamos da ilha que sua ponta leste é plana enquanto a ocidental exibe um penhasco projetado sobre o mar. Paga-se 1 taxa de cessão de serviços municipais de 500 francos para visitá-la. Rodeada pelo mar cristalinamente azul esverdeado, a pequena vila, ora com casarios em estilo provençal, ora em estilo ibérico com balcões de madeira, exibe profusão de azáleas e buganvílias colorindo as ruas de variadas cores. As torres de telefonia móvel, pra passarem despercebidas, são disfarçadas de palmeiras! Lembra-me de certa maneira a uruguaia Colônia del Sacramento. No mercado de artesanato Le Castel, a oferta de roupas coloridíssimas e peças em madeira e palha é um colírio pros olhos. Tem de regatear porque senão as vendedoras põem os preços nas alturas. Muito pitoresco o modo como as mulheres limpam os dentes: ao invés de fio dental usam uns pedaços finos de pau que ficam esfregando sobre e entre os dentes. A partir de uma feitoria fundada pelos portugueses em Goreé, a ilha foi, entre os séculos XV e XIX, um dos maiores entrepostos de comércio de escravos, levados do continente africano aos 4 cantos das Américas. Como não podia deixar de ser, entramos na Casa dos Escravos que abrigou 20 milhões de escravos durante 350 anos, oriundos em geral da Nigéria e Benin. Na casa, que comportava em média de 100 a 200 africanos, homens, mulheres, crianças e adolescentes eram amontoados em celas coletivas, divididos conforme gênero e idade. Nos homens eram colocados grilhões e bolas de ferro. Era permitido ir 1 vez por dia ao banheiro, excetuadas as adolescentes já que em suas celas 1 buraco servia a tal fim. Na cela dos recalcitrantes, pequeno e estreito cubículo, eram jogados os rebeldes. Nelson Mandela quando lá esteve saiu em lágrimas do lugar. Dia 31, pela manhã, caminhamos na praia, onde onde donos de cavalos e cabras levam seus animais para serem banhados nas águas do Atlântico. À tarde, almoçamos no Caesar’s, restaurante cujo cardápio atraente oferece gostosa comida senegalesa, com preços razoáveis. Sua internet é boa e da varanda onde estamos acomodados vemos o movimento no boulevard de La Republique. Terminado o almoço, dou umas bandas pelos arredores enquanto Raul tatua no atelier dum francês um baobá na panturrilha da perna direita. Paro diante da banca dum vendedor de bebidas e compro ataya, chá amargoso e doce. Ainda prefiro o tuba, o maravilhoso café com especiarias, que vem a ser mutatis mutandis 1 chay que usa café ao invés de chá. Resolvemos então encarar a tarefa de ir à rodoviária pra saber como se vai pra Gâmbia. Tranquilizados já que não é necessário comprar passagens com antecedência, basta apenas chegar e escolher o veículo disponível no momento, voltamos pra casa, antes passando no super onde compramos comida pra fazer à noite. Afinal, hoje é véspera de ano novo!! Preparo na espaçosa cozinha, onde um casal da Mauritânia também prepara sua ceia, um fricassê pra mim e Raul. Brindamos com bordeaux rosé o novel 2019 que se aproxima, enquanto lá fora espoucam centenas de brilhantes e coloridos fogos de artifício!! Jere jef, Dakar!!

Nenhum comentário: