terça-feira, 31 de julho de 2018

Abraçasso no Brasil: Retorno ao Sul

O Abraçasso começou pelo centro-oeste porque queria visitar alguns amigos e parentes que moram nesta parte do Brasil, penetrando, a seguir, o canto inferior da região norte, já que sonhava com o Jalapão. Na continuidade da trip, entro no nordeste, percorrendo durante 1 mês, encantada da vida, Maranhão e Piauí. Permaneço larga temporada em Fortaleza, daqui regressando ao sul pelo litoral, motivo por que escolho a BR 101, paralela ao Atlântico, salvo pequenas escapadas em outras rodovias, como o trecho de 850 km na BR 116. Dispondo de 15 dias pra chegar a Porto Alegre, escolho algumas cidades do litoral brasileiro, desconhecidas por mim e Osnilde, salvo Natal onde já estivera há anos atrás. Escolho na capital potiguar uma pousada na Ponta Negra, cujo quarto apesar de ser estilosinho, exala insuportável cheiro de cachorro molhado. Contratamos um tour ao litoral sul do estado que inclui visita à Base de Lançamento de Foguetes da América Latina, a chamada Barreira do Inferno, localizada no município de Parnamirim. De lá, vamos dar um rolê nos 8.500 m² ocupados pelo maior cajueiro do planeta, cujo gigantismo se deve a uma anomalia genética, em Pirangi do Norte. A seguir, breve paradinha num mirante donde se vêem as avermelhadas falésias na praia do Cotovelo. Almoçamos na praia de Camurupim onde se avistam recifes de coral a menos de 50 metros da faixa de areia. Terminada a refeição, embarcamos no busão e vamos fazer a digestão à beira da lagoa de Arituba. O passeio é bem padrão, com guia comentando sobre os lugares frequentados, estabelecendo tantos minutos ou horas pra se curtir os lugares. Mais se sobe e desce do bus que outra coisa. Canso só de pensar. Os companheiros de tour nada a ver comigo. Osnilde, uma santinha, só ri quando, ranzinza que sou, reclamo do povo. Na quarta-feira, com a concordância de Osnilde, saltamos Paraíba e de João Pessoa vemos apenas sua linha de arranha-céus da BR 101. O mesmo se passa com Recife: vejo de relance seus altos edifícios, aliás uma marca que caracteriza a maioria das capitais nordestinas. Mas o que me impressiona é a periferia pobre da enorme cidade cujas construções se dependuram sobre barrancos encobertos por lonas pretas pra evitar que desmoronem quando chega a época das chuvas. Como o objetivo é evitar praias badaladas, escolho a dos Carneiros, super tranquila nesta época do ano pra descansarmos 1 dia. Como chegamos cedo, conseguimos desfrutar do calmo balneário e dar uma banda à beira mar. Ao longo da praia, uma extensa linha de recifes, algumas com vegetação nascendo sobre os corais. Dia seguinte, passeio num catamarã ao longo do rio Formoso. Um vistaço no manguezal e na linda igrejinha de São Benedito, construída a 30 metros d’água. O visual é lindo: coqueirais em ambas as margens do rio de águas verdes, céu azul e temperatura caliente temperada por suave brisa. Durante a navegação, surge um magrinho fantasiado de Michael Jackson que se põe a imitar os passos de street dance do icônico pop star americano. Terminada a patética apresentação, o artista passa o chapéu entre a turistada. Paradinha ao lado duma barreira de recifes onde vendedores de comida se aproximam pra vender petiscos e batidinhas em suas canoas. A última etapa do passeio é navegar a outra margem do rio onde há uma lama dita medicinal. Mal se desce do barco, vêm uma penca de mulheres vendendo sabonetes feitos de lama enquanto outras se oferecem pra passar a tal lama no teu corpo. Eu e Osnilde nos entreolhamos, agradecemos e rapidinho escapulimos dali. Preferimos caminhar ao longo da praia durante os 20 minutos em que ali é autorizado permanecer. À noite, jantamos no Tapera do Sabor, em Tamandaré. Escolho filé de peixe grelhado servido ao creme de maracujá e guarnecido com batata sauté e arroz de alho....uma delícia! Sexta, damos tchau pra Pernambuco e, pouca demora, já estamos em Alagoas onde almoçamos em Paripueira, tranquilo balneário já próximo de Maceió. Passamos batidas pela capital alagoana, porque fôramos convidadas pra ficar na casa de Marilene, amiga de Osnilde, na pacata Marechal Deodoro. A poucas quadras da residência, se encontra a praia do Francês em cujo canto norte rolam os agitos com restaurantes à beira mar, cadeiras e guarda-sóis de aluguel. Caso se queira sossego, a pedida é o canto sul da praia. A caminho de Aracaju, entramos em Penedo, situada na margem esquerda do rio São Francisco, pertíssimo de sua foz. Fundada no século XVI, foi a primeira povoação de Alagoas. Seu bem conservado centro histórico exibe tesouros como o Paço Imperial, a belíssima igreja em estilo barroco Nossa Senhora da Corrente, datada de 1765, e a Pousada Colonial, prédios construídos ao redor da Praça 12 de Abril, a poucas dezenas de metros do rio. Subindo as ladeiras, encontramos o Convento e Igreja Santa Maria dos Anjos, a Igreja São Gonçalo Garcia dos Homens Pardos e o Teatro 7 de Setembro. Almoçamos uma saborosa moqueca no Oratório, restaurante debruçado sobre o Velho Chico, como é carinhosamente chamado o São Francisco pela população ribeirinha. Lástima não provar as cachacinhas da casa mas quem dirige tem o ônus de se manter abstêmia. Saímos de Penedo, cruzando de balsa o rio até sua margem oposta  onde se encontra Neópolis, cidade já situada em Sergipe. Em Aracaju onde chegamos à tardinha, escolho hotel na praia de Atalaia. Na bem cuidada orla, com 5 km de extensão, foram construídos parques, lagos, pistas de bici e corrida, praças de alimentação com excelente iluminação noturna que nos fez sentir, eu e Osnilde, super seguras de lá caminhar. Ainda rodando em Sergipe, somos paradas por 2 membros da Polícia Militar. Alegam 3 irregularidades. Concordo com tudo que dizem, inclusive com a que não procede, a de que no interior de veículos de passeio não podem ser transportadas bicis - hahahaha - mas do lado de fora, pode, né?! Claro que nem rio ou argumento com o sisudo sargento ou tenente, sei lá sua patente, tão atarantada estou com o atraque. Daí o sargento ou tenente empurra pro soldado a decisão (?!) que devolve, constrangido, pro superior. Durante um par de minutos, ficam nesse pingue-pongue - parece filme de suspense - decidindo por fim não aplicar a multa, com a justificativa de que eu fora humilde ao me declarar culpada. A verdade, Osnilde descobre assim que deixamos o posto policial: eles queriam propina, os safados!! Eu, inocente, nem percebi o golpe. Bueno, decido enfrentar os 1 mil km do litoral da Bahia em 2 etapas. Rodando pela Linha Verde, um tapete de rodovia, vou até Camaçari, onde nos perdemos num emaranhado de rodovias mal sinalizadas até encontrar - ufa! - a BA 324, regressando enfim à BR 101. Após rodarmos 500 km, chegamos a Santo Antonio de Jesus, nossa primeira parada em terras baianas, pernoitando num hotel de beira de estrada bem legal. Dia seguinte, enfrentamos trecho de relevo ondulado que, embora lindo, exige bastante cuidado porque rasgado pela intensamente movimentada e curvilínea BR 101 ao longo dos 550 km até Itamaraju. Nesta cidade, nos hospedamos em outro simpático hotel de beira de estrada, donde do jardim se avista o Pico do Pescoço, um desbundante monolito rochoso. No outro dia, na altura de Itabatã, ao fazermos uma pausa pra esticar as pernas, encontramos, no restaurante dum posto de gasolina, mesa posta com café, chá e petiscos, tudo grátis, em homenagem ao 25 de julho, dia dos motoristas! Nos lavamos eu e Osnilde comendo aquelas gostosuras! Já no Espírito Santo, à margem direita da BR 101, é de enlouquecer a abundância de formações de granito espetaculares, destacando-se a Pedra do Frade e o baita boulder encimado por uma capelinha branca e azul. Chegando em Vitória à tardinha, na hora do rush, foi um sufoco achar a casa de Barbara, amiga a quem conhecera fazendo o trek no monte Roraima. Ela fez questão, quando soube que eu passaria por lá, de que ficasse em sua casa. Vitória, ilha fluvial-marítima, banhada pela baía de mesmo nome, é uma bela cidade cercada de morros. Do ape de Barbara, localizado na ilha do Boi, em frente à baía, se avista a extensa 3ª ponte que liga a capital à Vila Velha onde se destaca, entre vários morros, o do Moreno. Jerome, marido de Barbara, nos espera com deliciosa janta regada com vinho português. Osnilde relembra seu francês aprendido no ginásio conversando com o marselhês Jerome. No dia 26, cruzamos os 3,3 km da ponte e vamos conferir o Convento da Penha em Vila Velha, encarapitado no alto dum outeiro. A igreja é linda, pena a multidão de turistas na frente do altar impedindo que eu tire fotos decentes do recinto. Ato contínuo, voltamos a Vitória para, no bairro das Goiabeiras, visitar o espaço onde são fabricadas de forma artesanal as famosas panelas de barro. Claro está que compro uma, linda, com agarrador na tampa em formato de peixe! E almoçamos torta capixaba num restaurante da orla, prato típico da culinária do estado, composta por bacalhau, siri desfiado, sururu, camarão e palmito fresco, coberta com claras batidas em neve. Pra finalizar a alegre estadia em Vitória, nossos gentilíssimos anfitriões nos levam ao tradicional restaurante Dona Vilma pra provar a moqueca, considerada pelos capixabas como a mais autêntica da culinária brasileira, porque segundo eles o "resto é peixada." Depois dessa folga de 2 dias em Vitória, na sexta, voltamos a encarar a estrada. Já no estado fluminense, paramos num restaurante à beira da BR 101 em Campos dos Goytacazes, cujo cartaz anuncia comida mineira. Tudo muito feito feitinho, destacando-se a rabada... ótima. Achamos sem muitas delongas a praia de Jaconé, no balneário de Saquarema, onde ficaremos até domingo na casa da prima Anna Vitoria. No sábado, Vic nos leva pra dar um rolê por Saquarema onde almoçamos e visitamos a branquíssima igreja de Nossa Senhora de Nazaré situada no alto de uma colina com vista pra linda paisagem marítima cercada de morros. E no domingão, eis nós, mais uma vez na BR 101, atravessando a ponte Rio-Niterói, enveredando pela linha Vermelha (nenhuma bala perdida nos atingiu, graças a deus) e seguindo agora pela BR 116, neste trecho conhecida como Via Dutra até São Paulo. Perrengue cruzar a capital paulista porque o GPS me mandou ir pela marginal Pinheiros ao invés de ir pelo Rodoanel. Ainda bem que é domingo porque se assim não fosse eu acho que estacionava o carro no meio fio e me punha a chorar. Escolho pra pernoitarmos Registro onde já se nota certa mudança no clima, contudo a temperatura se mantém caliente ma non tropo. Não dá outra, ao ingressar na região sul, sou recepcionada no Paraná por um céu homogeneamente gris e uma chuva tão fina quanto persistente, tanto que as palhetas do pára-brisa do carro param nunca de funcionar. E a friaca já se faz sentir em Santa Catarina tanto que a porção nordestina de minha alma se rebela e exclama "ixe, sou pinguim, não, sou brasileira, tche!" Pernoitamos em Garopaba num hotel bem legal, dessa feita, cada uma em um quarto. Levo Osnilde pra dar uma banda no centrinho histórico do badalado balneário e depois vamos até a praia do Rosa já que ela desconhece esta parte do litoral catarinense. Merda o céu nublado mas sul é assim mesmo no inverno. Dia seguinte, depois de percorrermos 5.100 km, chegamos sãs e salvas a Porto Alegre, no último dia do mês de julho. E já na ponta dos cascos, como uma boa gauderia, digo: tô pronta pra outra indiada!

Um comentário:

Alu disse...

Que maravilha de Abraçasso em nosso Brasil! É disso que estamos precisando, de mais trocas, conhecimento/respeito da cultura do outro, de mais fé e amor pelas pessoas. Vi e senti muito isso em seus relatos, minha amiga! Que vc siga abraçando esse Brasil e nos presenteando com sua presença, relatos e imagens!